PUBLICIDADE
FEX E PRÉ-SAL 

Mato Grosso deve receber R$ 1,8 bi até final do ano

Na avaliação do deputado, com os esforços apresentados até o momento pela equipe econômica, a folha de pagamento dos servidores públicos estará assegurada

Sid Carneiro

Acesse o Blog

20/10/2019 08h24 | Atualizada em 20/10/2019 09h27

Mato Grosso deve receber R$ 1,8 bi até final do ano

Assessoria

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, Max Russi (PSB), acredita que os repasses no valor total de R$ 1,8 bilhão que o Estado tem como crédito com o governo Jair Bolsonaro (PSL), entre o Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) e os recursos do leilão do pré-sal sejam suficientes para o governador Mauro Mendes (DEM) retomar o equilíbrio das despesas e receitas de Mato Grosso. 

Durante sua avaliação, Max afirmou que apesar de todas as expectativas em torno do montante que é aguardado do FEX e do pré-sal, o governo tem grandes chances de receber recursos apenas do pré-sal, mas não descartou o FEX. “Estou crente de que o governo vai conseguir o dinheiro do petróleo, mas se der o FEX, melhor ainda”, afirmou o deputado.

Max disse ter dúvidas de que os recursos do FEX sejam realmente repassados pelo governo federal, conforme prometido pelo ministro de Economia, Paulo Guedes, pessoalmente ao governador Mauro Mendes, deputados federais e senadores de Mato Grosso, desde o primeiro semestre deste ano, em uma reunião com o ministro em Brasília. “Eu tenho minhas dúvidas sobre o repasse do FEX. Conto com o recurso do petróleo e os esforços que foram feitos pelo governador e sua equipe”, argumentou Max.

Na avaliação do deputado, com os esforços apresentados até o momento pela equipe econômica do governo, a folha de pagamento dos servidores públicos estará assegurada. O deputado disse ainda que não há previsão de discussão de aumento do duodécimo para a Assembleia Legislativa, em 2020, dentro da Lei Orçamentária Anual (LOA), que tramita no Legislativo para ser votada até o dia 15 de dezembro deste ano.

Apesar de não descartar a avaliação de reajuste do duodécimo, que não depende somente dele, Max Russi acredita que a atual receita do Legislativo atenderá às demandas futuras.  “Não estamos brigando por aumento de orçamento para o ano que vem. O que temos dá para as despesas, porque fizemos muitos ajustes”, disse o deputado.

Segundo ele, o Legislativo conseguiu fazer uma economia de mais de R$ 10 milhões no decorrer dos últimos dez meses reduzindo valores de diárias e passagens aéreas. “Então estamos numa condição tranquila de discutir ou não o nosso orçamento”, disse. 
 

Comente, sua opinião é Importante!