DESMATAMENTO 

Inpe pratica estelionato, sustenta senador

Senador criticou a atuação feita pelo Inpe e disse que o órgão pratica estelionato com os produtores rurais

Felipe Leonel

Acesse o Blog

21/08/2019 05h22 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Inpe pratica estelionato, sustenta senador

Gilberto Leite

O senador e produtor rural Jayme Campos (DEM) defendeu o agronegócio brasileiro e afirmou que o setor tem capacidade de expandir a produção “sem derrubar uma árvore”. Em discurso no Senado Federal, Campos criticou as ações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão responsável por realizar o levantamento de desmatamento na Amazônia. 

Na avaliação do senador, a atuação da instituição ambiental é uma “farsa e estelionato”. Os sistemas utilizados pelos órgãos de controle do desmatamento no Brasil, Deter e Prodes, não comprovariam a área desmatada na hora de encaminhar os dados ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) para aplicação de multas. 

“Eles dizem que estava nublado o tempo e não deu para tirar uma imagem legal, mas tocava a multa dizendo que desmatou. Isso não existe, é um engodo, um estelionato e uma fraude”, afirmou. Para o senador, o sistema inclui nos levantamentos dados de áreas já degradadas, que foram recuperadas e são roçadas para fazer plantios novamente.

As multas aplicadas pelo Ibama, de acordo com o senador, inviabilizam a vida de muitos pequenos produtores, que não possuem verbas para fazer investimentos e ainda se veem obrigados a arcar com preços de multas exorbitantes. Jayme reconheceu, entretanto, que o desmatamento ilegal na região ocorre e defendeu uma punição severa para estas pessoas. 

“O cidadão às vezes não tem dinheiro nem para roçar o pasto. Essa área vai crescer, regenerando. O cidadão arruma um parceiro, um financiamento, para roçar sua propriedade e é computado como desmatamento. Isso é uma farsa. De vez em quando aparece um indecente e desmata, esse deve ser punido de forma exemplar”, concluiu. 

Comente, sua opinião é Importante!