'CABIDE DE EMPREGO'

Abílio apresenta dossiê de loteamento de cargos na Prefeitura de Cuiabá

Vereador Toninho de Souza apresentou ofício mostrando que Abílio também já indicou gente para trabalhar na prefeitura.

Márcio Camilo

Jornalista

18/02/2020 11h35 | Atualizada em 18/02/2020 12h09

Abílio apresenta dossiê de loteamento de cargos na Prefeitura de Cuiabá

Marcio Camilo

O vereador de Cuiabá Abílio Júnior (PSC) apresentou uma pasta, na sessão da Câmara desta terça-feira (18), com documentos que apontam indicações políticas para ocupação de cargos na Prefeitura de Cuiabá, sem passar por concurso público.

Segundo Abílio, vereadores como Misael Galvão (PTB), Toninho de Souza (PSD) e até a deputada estadual Janaina Riva (MDB) indicaram pessoas para ocupar cargos como de enfermeiro e motoristas.

"Vou entregar essa pasta, ainda hoje a tarde, para a investigação da Delegacia Fazendária. É por isso que a saúde pública de Cuiabá está um caos. Ela está sendo loteada", acusou Abílio ao discursar na tribuna do plenário.

"O prefeito de Cuiabá, juntamente com vereadores como o Misael Galvão e o Toninho de Souza estavam fazendo cabide de emprego, indicação política em cargos que deveriam ser ocupados por concurso público", acrescentou.

Detalhou que recebeu essa pasta de um parente do assessor do secretário adjunto de Saúde de Cuiabá, Milton Corrêa. Contou que o secretário teria pedido para que o assessor destruísse os documentos, mas antes de fazer isso acabou morrendo em um acidente de carro.

A pasta então teria ficado sob os cuidados desse parente do assessor de Corrêa que resolveu entregar os documentos para Abílio, por não concordar com o processo de cassação que o vereador está sofrendo.

Na mesma hora, Toninho, um dos acusados por Abílio, pediu para que sua assessoria imprimisse um ofício apontando que Abílio também pediu para o prefeito empregar uma pessoa no Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano. A indicação ocorreu em 2017.

O presidente da Câmara, Misael Galvão, assumiu que fez as indicações, mas que isso é um processo normal e faz parte das indicações políticas doa vereadores.

Explicou que é uma figura popular e que diante da crise financeira do país as pessoas lhe abordam constantemente pedindo emprego.

"Gostaria de ver todo mundo empregado porque são pais de família e pessoas honestas. Não tenho nada a esconder.Entregar o currículo de uma pessoa não quer dizer que ela foi empregada", justificou Misael.

A denúncia do cabide de emprego na prefeitura ocorre num contexto em que Abílio está na iminência de ter o mandato cassado. Havia uma expectativa que a votação ocorreria hoje, mas o relatório da cassação ainda não recebeu o parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

Na manhã desta terça, cerca de 500 pessoas protestaram em frente à Câmara contra a cassação do parlamentar.


FONTE: Da Redação, Jornal O Estado de Mato Grosso

Comente, sua opinião é Importante!