EMPREENDEDORISMO

VLT começa a 'rodar' em Cuiabá e VG

Inspirado na obra que nunca foi concluída, jovem cuiabano criou um aplicativo de transporte para concorrer com gigantes da tecnologia

Valquiria Castil

Acesse o Blog

22/08/2019 08h53 | Atualizada em 22/08/2019 09h11

VLT começa a 'rodar' em Cuiabá e VG

Gilberto Leite

Revoltado com o descaso da gestão pública mato-grossense que consumiu cerca de R$ 1,066 bilhão para implantar o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o cuiabano Douglas Ribeiro teve a ideia de criar o seu próprio VLT e colocá-lo nas ruas de Cuiabá, Várzea Grande e até mesmo em Sinop. Mas não é um trem: trata-se de um aplicativo de transporte concorrente dos conhecidos Uber e 99 POP. 

O nome surgiu como uma sátira ao “trem fantasma”, que ainda continua com as obras suspensas após cinco anos da data prevista para sua conclusão, na Copa de 2014.

“Há pouco mais de ano comecei a pensar em criar o aplicativo. Em casa, junto com minha mãe, veio o nome, mas só nos últimos seis meses é que peguei firme com a ideia do VLT”, relata o personal trainer, que também trabalhava como motorista de aplicativo.

Douglas conta que a experiência e os passageiros mostraram que melhorias poderiam ser feitas no aplicativo. As corridas levavam a passar pelas obras inacabadas e só aumentava a indignação com o abandono do VLT, que prometia agilidade no trânsito, menor impacto ambiental, entre outros benefícios. 

“É um descaso público total com nosso dinheiro. Chega um governador, manda parar tudo e gasta milhões para avaliar a situação. Muitos comércios quebraram, principalmente na Avenida da FEB, onde criaram uma trincheira sem retorno e o mesmo em Cuiabá. Foi um caos total a troco de nada”, lamenta Ribeiro.

O APLICATIVO

O aplicativo de transporte particular VLT está disponível nas lojas virtuais tanto para o sistema Android quanto para o IOS. O criador garante que as corridas são bem mais em conta que as orçadas pelos concorrentes. A reportagem testou um percurso de sete quilômetros e o VLT ofereceu R$ 5,06 a menos no valor da corrida, em comparação com os concorrentes.

Com apenas duas semanas de funcionamento, Douglas Ribeiro aposta em promoções para que os usuários passem a conhecer o VLT, como cupons de desconto reutilizáveis até o próximo dia 15 de setembro. “O passageiro que se cadastrar pode utilizar o cupom ADV7, com desconto de 7%, que pode ser usado quantas vezes quiser”, pontua.

No VLT, os passageiros têm opção de escolher o seu motorista favorito e as mulheres podem escolher motoristas do mesmo sexo. Também há opções de escolha de carros em relação ao tamanho do porta-malas, caso precise para o aeroporto ou para compras. O usuário ainda pode agendar viagem.

MOTORISTAS 

Todo motorista interessado em se cadastrar no aplicativo VLT deverá preencher o formulário online e aguardar o tempo de aprovação e verificação do processo de segurança, que inclui checagem de antecedentes criminais. 

“A liberação ocorre em cerca de 1 hora, porém o tempo aumenta conforme a demanda de cadastros”, informa Douglas. 

O ganho do motorista é negociável, conforme Ribeiro. Isso porque há duas formas de cadastros de motoristas: o conservador e o liberal. O condutor que prefere ter estabelecido os seus ganhos e custos deverá pagar 15% ao aplicativo. Já o motorista mais flexível pode optar por pagar uma mensalidade de R$ 70 e fazer o restante das corridas livre de taxa percentual. 

Comente, sua opinião é Importante!