DURANTE PANDEMIA

Quase sem estoque, Hemocentro faz campanha para doação de sangue

Desde o início da pandemia, devido ao medo da Covid-19, o número de doadores diminuiu.

16/07/2020 09h27 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Quase sem estoque, Hemocentro faz campanha para doação de sangue

Reprodução

O estoque de sangue está muito baixo no Hemocentro de Mato Grosso, que é o banco de sangue público que atende unidades de saúde em todo o estado. Desde o início da pandemia, devido ao medo da Covid-19, o número de doadores diminuiu.

Nesta quinta-feira (16), foi lançada uma campanha de coleta em parceria com o Ministério Público Estadual. Nessa ação, está agendado o atendimento de 70 pessoas por dia, já considerando as medidas de distanciamento social.

De acordo com o Hemocentro, a urgência maior é para doação de sangue dos tipos O Positivo, O Negativo e A Negativo, para repor estoque que se encontra em situação crítica.

Só para atender a demanda de sangue O positivo, por exemplo, o hemocentro precisa manter no estoque diariamente pelo menos 160 bolsas. No entanto, com a queda nas doações durante a pandemia, em alguns momentos o estoque fica zerado.

"O problema é o número reduzido de doadores de sangue. Muitas vezes os doadores fazem o seu agendamento para virem fazer a doação de sangue e em função de algum problema de saúde ou outro problema, deixam de vir”, explicou a diretora Geral do Hemocentro-MT, Gian Carla Zanella.

O servidor público Marcos José Aparecido Santelli nasceu com anemia hereditária, uma doença que impede a medula de produzir glóbulos vermelhos. Os sintomas são falta de ar, cansaço e dor no corpo. Por isso, a cada 15 dias ele precisa de uma bolsa de sague.

“O sangue é a vida. Então eu preciso dele porque se eu não tomar o sangue eu vou passar mal, e não vou viver”, ressaltou.

FONTE: G1

Comente, sua opinião é Importante!