CORONAVÍRUS

Alcolumbre crítica discurso de Bolsonaro: 'precisamos de uma liderança séria''

Presidente do Senado criticou as declarações em rede nacional do presidente da República Jair Bolsonaro, que voltou a minimizar a gravidade do coronavírus

Márcio Camilo

Jornalista

25/03/2020 10h14 | Atualizada em 26/03/2020 07h52

Alcolumbre crítica discurso de Bolsonaro: 'precisamos de uma liderança séria''

Arte Jornal O Estado de MT

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), classificou como grave as declarações em rede nacional do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no que ele classificou como "ataque às medidas de contenção ao coronavírus".

Conforme Alcolumbre, ao agir assim, o presidente está "na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde".

O parlamentar reiterou que o país precisa de uma liderança séria nesse momento de crise provocada pela pandemia mundial. Que o momento é de unir esforços e não atacar as instituições.

"Reafirmamos e insistimos: não é momento de ataque à imprensa e a outros gestores públicos. É momento de união, de serenidade e equilíbrio, de ouvir os técnicos e profissionais da área para que sejam adotadas as precauções e cautelas necessárias para o controle da situação, antes que seja tarde demais", reforçou Alcolumbre em nota encaminhada à imprensa.

Ele acrescentou que a nação brasileira espera de Bolsonaro, "mais do que nunca, transparência, seriedade e responsabilidade", e que o Congresso Nacional continuará atuante no sentido de colaborar com o que for necessário para superar a crise.

Entenda

Em pronunciamento em cadeia nacional na noite desta terça-feira (24), Bolsonaro criticou os decretos dos governos estaduais que fecharam escolas, limitaram o transporte público e a atividade do comércio. O objetivo dos governadores é evitar a disseminação do coronavírus.

Bolsonaro também minimizou os riscos da doença, a chamando novamente de "gripezinha", e defendeu que o isolamento social deve atingir apenas os mais velhos.

As declarações geraram revolta de diversas autoridades pelo país e contrariam o que está sendo feito pelo resto do mundo para combater a pandemia.

Mato Grosso tem 7 pessoas com a doença e mais 269 casos em investigação. Dos pacientes, cinco são em Cuiabá, um em Várzea Grande e outro em Nova Monte Verde.

O Brasil já possui 2.201 infectados, conforme o Ministério da Saúde. Já morreram 46 pessoas, a maioria delas em São Paulo, o foco principal da doença no país. O primeiro óbito registrado foi no dia 17 deste mês.

FONTE: Da Redação o Estado de MT

Comente, sua opinião é Importante!