PANDEMIA

Governo do Paraná irá assinar acordo para fabricação de vacina contra coronavírus

Previsão é que distribuição no Brasil ocorra em 2021, mas Anvisa ainda precisa liberar.

11/08/2020 10h37 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Governo do Paraná irá assinar acordo para fabricação de vacina contra coronavírus

Reprodução

O governo do Paraná anunciou que vai assinar um convênio com a Rússia para produzir a vacina Sputnik V. O anúncio foi feito horas após o presidente russo, Vladimir Putin, divulgar a vacina como a primeira registrada no mundo.

Ainda se sabe pouco sobre a eficácia dessa vacina, e ela vem sendo questionada por especialistas internacionais. O site oficial russo sobre a pesquisa informa que os testes de fase 1 e 2 foram completados no dia 1º de agosto. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera necessário haver três fases de testes para comprovar a eficácia de uma vacina.

A previsão é de que o convênio seja assinado pelo governador Ratinho Júnior (PSD) e o embaixador da Rússia, Sergey Akopov, às 14h nesta quarta-feira (12).

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) será responsável por todas as etapas, desde a pesquisa até a distribuição das doses da vacina russa.

Ainda conforme o governo, o passo seguinte à assinatura do acordo é o compartilhamento do protocolo russo com a Anvisa, para que a agência brasileira libere a realização dos procedimentos necessários para os testes.

Jorge Callado, presidente do Tecpar, ressaltou que a pesquisa vai avançar conforme o compartilhamento as informações. Se tudo ocorrer dentro dos protocolos previstos, a distribuição não deve ocorrer antes do segundo semestre de 2021.

“Antes da liberação, não há possibilidade de colocar nada em prática. Reitero que a prudência e a segurança são palavras-chave nesse processo”, pontuou o presidente do Tecpar.
É importante essa assinatura para que essa condição de troca de informações comece, afirmou o presidente do Tecpar.

“Cada passo no seu momento adequado, não podemos queimar etapas”, disse
Vacina russa
O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que que a Rússia é o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra o novo coronavírus nesta terça-feira (11).

Mesmo com o anúncio, especialistas internacionais questionam a pesquisa porque não há publicações científicas sobre sua eficácia.

Conforme registro no site da Organização Mundial de Saúde (OMS) do dia 31 de julho, sobre as vacinas para Covid-19 em desenvolvimento no mundo, a vacina russa ainda estava na fase 1 do processo. Para desenvolver uma imunização, são necessárias 3 etapas.

Nesta terça (11), a OMS comentou o anúncio da vacina russa. A entidade declarou que a Rússia "não precisa de sua aprovação" para registrar a vacina, e que precisará ter acesso aos dados da pesquisa para avaliar a eficácia e segurança da imunização para aprová-la.

Conforme as informações russas, o Brasil vai participar da fase 3 dos estudos clínicos, que tem previsão para começar na quarta-feira (12). Serão 2 mil participantes; além dos brasileiros, deve haver voluntários da própria Rússia, dos Emirados Árabes, da Arábia Saudita e do México.

Tratativas com o Paraná
No dia 24 de julho, o governo paranaense havia informado que a cooperação técnica com a Rússia estava em andamento.

O possível acordo foi tratado em uma reunião, em Brasília, entre o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov.

Pesquisa no Tecpar
Ao anunciar a parceria com a Rússia, o presidente do Tecpar está otimista com a possibilidade de ter resultados positivos com a imunização. Contudo, o presidente do Instituto ressalta que a produção e distribuição serão pautadas pela segurança e prudência.

“É um laboratório de referência em termos internacionais. Após esse ajuste com o Governo da Rússia, as tratativas tecnológicas e científicas começam. É importante nos pautarmos com prudência, segurança e transparência dentro desse processo”", afirmou Jorge Callado.

Somente após a autorização da Anvisa, o governo do Paraná afirma que vai avançar para as próximas etapas do processo.

"É algo muito preliminar. Não existe compromisso de produção firmado enquanto as etapas não forem validadas, não forem consolidadas e não forem liberadas pela Anvisa. É um começo de um intercâmbio de informações. Nós avançaremos se tivermos informações necessárias para tanto. Caso contrário, não", pontuou o presidente do Tecpar.
Sobre a parceria entre o estado e o governo russo, Callado contou que o Tecpar foi procurado pela embaixada Russa porque o instituto é reconhecido pela inovação.

“Nós fomos procurados e, como instituto de tecnologia, nós temos que estar abertos, receptivos, para novas tecnologias. Mas, é claro, isso precisa ficar muito mais aprofundado, mais esclarecido”, afirmou.

Callado esclareceu que assim que a terceira etapa de testes for concluída na Rússia, a documentação deverá ser analisada pela Anvisa, pelos órgãos reguladores.

“Caso os resultados sejam satisfatórios, sejam positivos, existe a possibilidade de pleitear o registro chamado registro clone. Caso não, existe a necessidade de replicar a fase no Brasil, principalmente a fase 3”, explicou.

Pesquisas
Ao todo, 165 vacinas contra a Covid-19 estão sendo pesquisadas em todo o mundo, segundo os dados da OMS no dia 31 de julho. Cinco dessas imunizações estão na fase final de testes em humanos (a fase 3).

No Brasil, há três vacinas sendo testadas contra a Covid-19.

Em julho, foi anunciado o início dos testes de uma vacina chinesa contra o novo coronavírus no Brasil. No Paraná, profissionais de saúde voluntários - público considerado mais exposto ao contágio - foram os primeiros a receber as doses da pesquisa chinesa.

Os testes são concentrados no Hospital de Clínicas do Paraná (HC), que pertence a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e fica em Curitiba. O HC é um dos doze centros escolhidos para testar a vacina.

FONTE: G1

Comente, sua opinião é Importante!