DIZ TCE

Conselheiro preso após jogar quase R$ 500 mil em cheques já pode se aposentar

Waldir Teis tem mais de 33 anos de atuação e com isso estaria apto a se aposentar. Ele foi preso no início de julho e solto pouco mais de um mês depois.

25/08/2020 17h18 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Conselheiro preso após jogar quase R$ 500 mil em cheques já pode se aposentar

Reprodução

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) emitiu nesta terça-feira (25) a averbação de serviço do conselheiro afastado, Waldir Teis, atestando que ele tem 33 anos de serviços prestados. Com isso, já estaria apto a se aposentar. O documento havia sido solicitado por ele em abril deste ano, mas só foi publicado agora no Diário Oficial de Contas.

“Trata-se de Certidão de Tempo de Contribuição - CTC expedida em 31.03.2020 pelo Instituto Nacional do Seguro Social – apresentada pelo conselheiro Waldir Júlio Teis, para fins de registro e averbação do efetivo exercício, de tempo de contribuição de 12.283 dias, correspondentes a 33 anos, 7 meses e 28dias”, diz trecho da publicação.

Com isso, Teis já pode ingressar com pedido de aposentadoria, o que, segundo a assessoria do TCE, ainda não foi feito.

Prisão
Waldir Teis foi preso no dia 1º de julho por tentar prejudicar o trabalho da Polícia Federal durante uma operação no escritório dele no mês de junho.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, revogou a prisão preventiva do conselheiro no dia 4 de agosto.

Câmeras de segurança registraram o momento em que o conselheiro desce 16 andares de escada para se livrar de quase R$ 500 mil em cheques durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão no escritório dele, em Cuiabá, durante a 16ª fase da Operação Ararath, no dia 17 de junho.

Investigação
De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o conselheiro – que é investigado por corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro, foi denunciado pela conduta que levou à prisão preventiva no dia 1º de julho.

A prisão foi determinada pelo Superior Tribunal de Justiça (STF), órgão ao qual o MPF remeteu a denúncia contra o conselheiro.

Sobre a denúncia do MPF, o advogado de Waldir informou que, de fato, ele tentou esconder os cheques e que a atitude foi impensada.

Operação Ararath
A Operação Ararath investiga, desde 2013, a prática de crimes de corrupção, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e organização criminosa por conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso.

Além da condenação pela infração de embaraço à investigação, o MPF requer à Justiça indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 3 milhões, além da prorrogação do afastamento do conselheiro até o trânsito em julgado da denúncia.

FONTE: G1

Comente, sua opinião é Importante!