SEGUNDO PESQUISA

Velocidade acima do permitido e avanço de sinal vermelho são as infrações mais cometidas no Mato Grosso

Essas infrações totalizaram 760.176 autuações ao longo de 2019.

20/08/2020 15h57 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Velocidade acima do permitido e avanço de sinal vermelho são as infrações mais cometidas no Mato Grosso

Reprodução

Transitar com veículo em velocidade superior a máxima permitida para o local, em até 20%, foi a infração mais cometida no ano de 2019 pelos motoristas em Mato Grosso, totalizando 834.483 autuações em todo Estado.

Essa é uma infração considerada de categoria média pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) com penalidade de multa.

Os dados constam no Anuário Estatístico de Trânsito do Estado de Mato Grosso – 2020, ano base 2019.

Pelo ranking das 10 infrações mais cometidas no Estado é possível identificar que o erro humano ainda se destaca e, com isso, podendo ser uma das principais causas dos acidentes de trânsito.

As infrações mais registradas em 2019 foram: transitar em velocidade superior a máxima permitida em até 20%, avançar o sinal vermelho do semáforo eletrônico, transitar em velocidade superior a máxima permitida entre 20% e 50%, deixar o condutor de usar o cinto segurança, conduzir veículo que não esteja devidamente licenciado, deixar de acender a luz baixa em movimento de dia nas rodovias, dirigir com calçados não firmes nos pés comprometendo a segurança, dirigir veículo utilizando telefone celular, estacionar em locais e horários proibidos especificamente sinalizados.

Essas infrações totalizaram 760.176 autuações ao longo de 2019.

Operação Lei Seca
Pelo artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência) e 165-A (recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa) foram registradas 3.222 autuações em todo estado no ano de 2019, uma redução de 28,36% se comparado a 2018.

FONTE: G1

Comente, sua opinião é Importante!